PALMAS

ECONOMIA

13º salário impulsiona Pix, que bate recorde de transações diárias

Publicados

ECONOMIA

Pix bate recorde de transações diárias
Luciano Rodrigues

Pix bate recorde de transações diárias

Foram feitas 99,4 milhões de transações por Pix nesta quarta-feira (30), um novo recorde diário, segundo o Banco Central. A data coincide com o último dia para depositar a primeira parcela do 13º salário. 

Desde o lançamento, em novembro de 2020, o Pix já superou DOC e TED como meio de pagamento mais utilizado pelo brasileiro. O recorde anterior havia sido em 7 de outubro, com 93,7 milhões de depósitos.

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG 

Segundo o último levantamento, em outubro deste ano, o BC já havia registrado 28 bilhões de transações pelo sistema, somando R$ 14 trilhões em movimentações. 

As transações entre pessoas físicas ainda lideram, representando 67% do total, mas pagamentos de pessoas para empresas ganham relevância a cada mês –houve um salto de 5% para 23% das operações. 

As transações entre empresas são 3% da fatia, mas contam com 37% do volume de recursos.

A segunda parcela do 13º deverá ser paga até 20 de dezembro, mas o BC não informou se espera bater novamente o recorde. 

Até o momento, o Pix já conta com mais de 523 milhões de chaves, sendo de 138 milhões de usuários.


Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

Ministro avalia manter saque-aniversário do FGTS, mas confirma mudança

Publicados

em

Luiz Marinho, ministro do Trabalho
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL

Luiz Marinho, ministro do Trabalho

O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, recuou da sua decisão de  extinguir novos saques na modalidade aniversário do FTGS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço). Em entrevista ao jornal Valor Econômico publicada nesta segunda-feira (6), no entanto, ele garante que haverão mudanças.

Marinho havia dito que iria propor o fim do saque-aniversário na reunião do Conselho Curador, que irá definir os rumos da modalidade, marcada para o dia 21 de março. Agora, recuou da proposta. 

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o perfil geral do Portal iG 

“Se permanecer, será com outras regras totalmente diferentes, mas não estou convencido ainda. Não podemos fazer o trabalhador de escravo”, disse o ministro.

“Não descarto que acabe, podendo até ser mantido. Vamos decidir, não tem canetada. Eu acho um erro, mas estou aberto a refletir. Certamente mudanças haverá”, finalizou Luiz Marinho sobre o saque-aniversário do FGTS. 

Leia Também:  Bancos não abrem nesta sexta; veja como pagar suas contas

Segundo o ministro, trabalhadores reclamam que, ao aderir à modalidade, têm os valores retidos por dois anos em caso de demissão do emprego. Para Marinho, o saque aniversário “enfraquece o fundo para investimento para gerar emprego”. 

O ministro parece confuso com relação aos rumos da modalidade de retirada. Esta é a segunda vez em que ele recua  da sua ideia de extinguir o saque. 

A primeira declaração sobre um eventual fim do saque-aniversário havia sido dada em janeiro pelo ministro em entrevista ao jornal O Globo. Em seguida, a própria assessoria de imprensa do ministério confirmou a informação de que a pasta pretendia encerrar a modalidade.

Em entrevista ao jornal O GLOBO, no início do mês, o ministro classificou a política de saques do último governo como “irresponsável e criminosa”, pois, se o trabalhador retira cotas do FGTS ao longo dos anos, “quando o cidadão precisar dele (do FGTS), não tem. Como tem acontecido reclamação de trabalhadores demitidos que vão lá e não têm nada”.

Desde a entrada em vigor do saque-aniversário, em abril de 2020, 28 milhões de trabalhadores aderiram à modalidade e retiraram R$ 34 bilhões do FGTS. Em média, R$ 12 bilhões são retirados por ano.

O FGTS é usado para financiar investimentos em habitação e, desde que Marinho assumiu a pasta no primeiro governo Lula, também pode ser usado pelo governo para financiar produção, projetos para gerar empregos e crescimento.

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA