PALMAS

ECONOMIA

Brasil tem o menor número de desempregados desde 2015, aponta IBGE

Publicados

ECONOMIA

Brasil tem diminuição no número de desempregados segundo o IBGE
Divulgação

Brasil tem diminuição no número de desempregados segundo o IBGE

*Conteúdo produzido pelo contribuidor Ignacio Aglietti

O desemprego é um problema grave não só para o indivíduo, mas também em um contexto social amplo e que pode ter um impacto muito negativo na economia de um país. O número de cidadãos desempregados tende a variar com o passar dos anos, no entanto, a situação costuma se agravar durante as grandes crises financeiras, como foi o caso da recente crise sanitária durante a pandemia da Covid-19, que afetou negativamente vários setores da economia global.

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) obtidos através da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) apontam que a taxa de desemprego no Brasil registrou uma nova queda no trimestre entre os meses de julho e setembro de 2022 e agora é de 8,7% . No trimestre anterior, de abril a junho, o desemprego no país era de 9,3%. A melhora no índice se torna ainda mais evidente quando se compara com o mesmo trimestre de 2021. Em cenário de pandemia, entre julho e setembro do ano passado, o desemprego no Brasil atingia o patamar de 12,6%, 3,9 pontos percentuais a mais que a taxa atual.

Leia Também:  Caixa paga Auxílio Brasil a beneficiários com NIS final 3

Esse avanço mostra que, mesmo longe do número ideal de trabalhadores formais, o Brasil teveum bom avanço na recuperação e  criação de novos empregos no setor privado. A taxa de desemprego nos Estados Unidos, por exemplo, está atualmente em seu nível mais alto desde a Grande Depressão da década de 1930.

Impactos do desemprego na economia

O aumento na taxa de desempregados, que historicamente se agrava em períodos de recessão e incertezas, pode causar um efeito profundo na economia, uma vez que as empresas, sobrecarregadas, acabam tendo a necessidade de demitir funcionários e os trabalhadores, desempregados, passam a ter menos dinheiro para gastar, o que reduz a demanda por bens e serviços e leva à perda de mais empregos, funcionando como uma bola de neve.

Na economia de um país, este efeito também pode ser sentido por todos, uma vez que, com um índice de desemprego maior, o governo precisa gastar mais dinheiro em programas sociais de assistência que servem para ajudar pessoas que estão com a renda comprometida. Esta medida pode acabar inchando o orçamento do país e levar a cortes de investimentos em outras áreas importantes, causando um desequilíbrio econômico.

Leia Também:  Ao menos 18 estados e o DF reduzem ICMS sobre combustíveis

Altas taxas de desemprego também costumam elevar a dívida acumulada da população como um todo. Isso pelo fato de que, mesmo sem trabalho e renda, o cidadão ainda tem a obrigação de sustentar a casa, comprar alimentos e cuidar da saúde. Com isso, o desempregado recorre ao empréstimo pessoal , no entanto, não tem condições financeiras para arcar com as parcelas.

A melhor maneira de reduzir o desemprego em um país é incentivar o crescimento econômico de forma geral. Esse incentivo pode ser feito por meio de cortes de impostos, investimentos em infraestrutura, educação e outras soluções que estimulem a demanda. No entanto, é preciso um certo tempo para que essas medidas tenham efeito direto sobre a taxa de desemprego. Com isso, é importante dar apoio aos que estão desempregados e dar condições para que eles possam encontrar novos caminhos.

*Conteúdo em colaboração com o Soporte Digital.

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

ECONOMIA

BC anuncia mudanças sobre limite Pix; entenda

Publicados

em

Método de pagamentos entrou em vigor em 2020
Lorena Amaro

Método de pagamentos entrou em vigor em 2020

O Banco Central (BC) alterou, nesta quinta-feira (1º), as regras sobre o limite de transição feitas pelo  Pix. A medida eliminou a obrigatoriedade de limite por transação, e o máximo disponível para saque e troco durante o período diurno passa a ser R$ 3.000 e, para o noturno, R$ 1.000.

As novas regras mantêm apenas o limite por período de tempo para transações. Todas as medidas anunciadas para o Pix devem começar a valer a partir de 2 de janeiro de 2023, exceto a gestão de limites para os clientes, que devem entrar em vigor em julho do próximo ano.

Limites de transação para pessoas jurídicas também foram alterados. Após a decisão, o máximo disponível deve ficar a critério dos bancos, e as compras para a categoria devem ficar baseadas no sistema TED, não mais no cartão de débito.

Todas as medidas tomadas foram decididas durante o Fórum Pix, que aconteceu no fim de setembro de 2022.

Antes da alteração, o limite permitido era de R$ 500 durante o dia e R$ 100 a noite. Segundo o BC, a medida tem como objetivo adequar os limites aos valores disponibilizados em caixas eletrônicos por saques tradicionais. 

“Essa medida tem como objetivo adequar os limites usualmente disponibilizados nos caixas eletrônicos para saques tradicionais. Assim, com o Pix Saque, os usuários terão acesso ao serviço com condições similares às do saque tradicional”, afirmou o BC em nota.

Agora, o período noturno passa a ser opcional para cada instituição financeira, e pode passar a valer das 22h às 6h. Anteriormente, o período padrão para os bancos ficavam entre as 20h e 6h.

O BC também atualizou o sistema operacional do método de pagamento, facilitando o pagamento de salários e benefícios, como  aposentadorias e pensões, pelo Pix. 

Entre no  canal do Brasil Econômico no Telegram e fique por dentro de todas as notícias do dia. Siga também o  perfil geral do Portal iG

Leia Também:  Mega-Sena acumula e deve pagar R$ 125 milhões no  próximo concurso

Fonte: IG ECONOMIA

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA