PALMAS

BOLSA DE VALORES

Projeto apoiado pela B3 social incentiva inclusão da população LGBTQIA+ no mercado de tecnologia

Publicados

BOLSA DE VALORES

São Paulo, 28 de junho de 2022 – A promoção de políticas de inclusão da população LGBTQIA+ no mercado de trabalho ganha cada vez mais espaço no ambiente empresarial. No Brasil, algumas iniciativas têm se destacado no trabalho de ampliação deste público no setor produtivo. Caso da Generation, projeto fundado pela McKinsey & Company e apoiado pela B3 Social, associação sem fins lucrativos responsável pelas frentes de investimento social privado e voluntariado da B3.

O objetivo da Generation é preparar, apoiar e inserir jovens no mercado de trabalho de tecnologia por meio da formação para os cursos de Desenvolvedor Full-Stack Java e Desenvolvedor Mobile, priorizando a comunidade LGBTQIA+. Como resultado, cerca de 27% dos participantes do programa se declaram LGBTQIA+, e a Generation conta com 24% dos colaboradores autodeclarados neste público.

O projeto é voltado para participantes de baixa renda, entre 18 e 30 anos, com ensino médio completo e também busca a inclusão de mulheres, negros e pessoas com deficiência. Atualmente, está implementado em São Paulo (SP), Campinas (SP) e Recife (PE).

Leia Também:  Kinea: é como se Thanos tivesse estalado seus dedos no mercado

“Nascemos com a missão de diminuir a desigualdade social e promover a educação para o trabalho. Para isso, é importante termos os olhos sempre atentos ao tema da diversidade, pois só assim conseguiremos romper estruturas tradicionais. Ambientes diversos produzem riquezas de ideias, de produtividade e de bem-estar coletivo, ou seja, todos ganham, as empresas, os colaboradores, os clientes e a sociedade”, ressalta Adriana Carvalho, CEO da Generation Brasil.   

O programa surge com o objetivo de suprir uma demanda que se mostra desafiadora para alguns setores da economia. Uma pesquisa feita por pesquisadores da Universidade de Michigan e da Temple University e publicada pela revista Science Advances em 2021 mostrou que trabalhadores da população LGBTQIA+ que atuam nas áreas de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM, na sigla em inglês) têm mais chances de sofrerem limitações de carreira, assédio e desvalorização profissional.

A B3 Social é apoiadora pelo terceiro ano consecutivo da Generation e contribui para a expansão do projeto. A associação, além de atuar com investimento social privado, tem colaboradores que contribuem como mentores de alunos do projeto.

Leia Também:  Anatel aprova compra da Oi Móvel por Vivo, TIM e Claro

“Por meio da B3 Social, buscamos fortalecer organizações da sociedade civil que contribuam para a redução das desigualdades sociais e atendam às demandas das populações mais vulneráveis. Este compromisso passa pelo reconhecimento das discriminações que sofre o público LGBTQIA+ e pela proteção dos direitos humanos desta população. Deste modo, damos sustentação ao movimento da B3 de transformação cultural que foi iniciado há cinco anos e que tem a inclusão de pessoas LGBTQIA+ como um dos pontos fundamentais”, comenta Elizabeth Mac Nicol, superintendente da B3 Social.

A B3, que é signatária do Fórum de Empresas e Direitos LGBTI+ e assumiu os dez compromissos que tratam da promoção dos direitos LGBTQIA+ sob o prisma da gestão empresarial, também conta, desde agosto de 2021, com o currículo oculto, que apresenta os perfis dos candidatos aos gestores sem informações de nome, raça e etnia, gênero, idade, deficiência, endereço residencial e, em posições de liderança, formação acadêmica.

Fonte: B3

COMENTE ABAIXO:
Propaganda

BOLSA DE VALORES

Cotas do BTG DEB DI passam a ser negociadas na B3

Publicados

em

Um novo fundo de investimentoBTG PACTUAL TEVA DEBÊNTURES DI FUNDO DE ÍNDICE, direcionado a investidores em geral, passa a ter suas cotas negociadas no mercado de bolsa nesta terça-feira (28). Com nome de BTG DEB DI, e código de negociação DEBB11, o lote-padrão é de 1 (uma) cota e a cotação será em R$ por unidade.       

Mais informações:

O Fundo é uma comunhão de recursos destinada à aplicação em carteira de ativos com o

objetivo de refletir as variações e rentabilidade do Índice Teva Debêntures DI, antes de taxas e despesas, calculado e administrado pelo Administrador do Índice, observado o disposto no Capítulo V do Regulamento. A Carteira, observados os limites de diversificação e de composição detalhados no Capítulo VI do Regulamento, e ainda o disposto no item 4.2.1, poderá ser composta por (i) ativos do Índice que integrem o Índice Teva Debêntures DI, observado o disposto no Capítulo V do Regulamento; (ii) cotas de outros fundos de índice que visem refletir as variações e rentabilidade do Índice Teva Debêntures DI; (iii) Investimentos Permitidos; (iv) parcela não superior a 20% (vinte por

Leia Também:  BNDES anuncia lucro líquido recorde de R$ 34,1 bilhões em 2021

cento) do montante envolvido na operação, contemplando ativos financeiros que não façam parte do Índice Teva Debêntures DI, mas que sejam de mesma natureza daqueles, porém de diferentes emissões; (v) Receitas acumuladas e não distribuídas; e (vi) Valores em Dinheiro.

Administrador / Escriturador: BTG Pactual Serviços Financeiros S.A. DTVM

Confira todos os ETFs listados na B3:

http://www.b3.com.br/pt_br/produtos-e-servicos/negociacao/renda-variavel/etf/renda-variavel/etfs-listados/

Fonte: B3

COMENTE ABAIXO:
Continue lendo

MAIS LIDAS DA SEMANA